Download dos Anais e Posteres do Congresso Internacional

 Anais do Congresso Internacional:  “O que é uma escola de Projeto na contemporaneidade – Questões de ensino e critica do conhecimento em Arquitetura e Urbanismo”  (clique no link abaixo para fazer o donwload)

Anais Congresso Internacional de Ensino Mackenzie 2013

Posteres apresentados no Congresso. (clique no link abaixo para fazer o donwload)

Anexos Posteres

Sponsored Post Learn from the experts: Create a successful blog with our brand new courseThe WordPress.com Blog

WordPress.com is excited to announce our newest offering: a course just for beginning bloggers where you’ll learn everything you need to know about blogging from the most trusted experts in the industry. We have helped millions of blogs get up and running, we know what works, and we want you to to know everything we know. This course provides all the fundamental skills and inspiration you need to get your blog started, an interactive community forum, and content updated annually.

Congresso Internacional

Congresso Internacional “O que é uma escola de Projeto na contemporaneidade – Questões de ensino e critica do conhecimento em Arquitetura e Urbanismo” 

Promove: FAU UPM – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo – Universidade Presbiteriana Mackenzie. São Paulo, Brasil.

Organiza: FAU UPM – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo – Universidade Presbiteriana Mackenzie. São Paulo, Brasil. INIFAUA – Instituto de Investigación – Facultad de Arquitectura, Urbanismo y Artes. Universidad Nacional de Ingeniería. Lima, Peru.

Natureza do Evento

O Congresso Internacional “O que é uma escola de Projeto na contemporaneidade? – Questões de ensino e critica do conhecimento em Arquitetura e Urbanismo” convida a comunidade acadêmica a debater a educação do arquiteto e do urbanista a partir do entendimento do “raciocínio de projeto” desde sua instância antropológica, social, política, sua especificidade no exercício profissional do arquiteto, interdisciplinaridade e interfaces com outros campos e formas de discurso necessariamente envolvidos na didática das escolas de arquitetura e urbanismo frente aos desafios contemporâneos.

O evento propõe cartografar a história, o estado atual da arte e os projetos em gestação, no ensino, a partir do raciocínio de PROJETO nas várias áreas de atuação do arquiteto, ou seja, nas relações que estabelece com a Arquitetura, o Urbanismo, o Planejamento Urbano, a Teoria, a História e as Técnicas.

Com igual importância, na proposta deste seminário emerge outro mote que seja o de se apresentar como a segunda edição de um encontro realizado em Lima – Peru, nos dias 5, 6 e 7 de julho de 2011, intitulado Congreso Internacional “100 años de enseñanza en arquitectura”, promovido pelo Instituto de Investigación da Facultad de Arquitectura, Urbanismo y Artes da Universidad Nacional de Ingeniería. A iniciativa em promover um segundo encontro representa um avanço ao estabelecer a periodicidade na troca de experiências entre pesquisadores, docentes e discentes da América Latina e, também, de outros continentes na construção de uma rede de pesquisadores interessados no tema proposto.

É parte integrante do seminário, o convite à participação de alunos e ex-alunos de graduação da FAU Mackenzie, integrando-se à discussão através do relato de suas experiências em outras escolas, através de intercâmbios ou cursos de verão.

Idiomas: português e espanhol

Data: 9 a 11 de setembro de 2013
Local: FAU/Mackenzie – – São Paulo, Brasil

Fomento: Fundo Mackenzie de Pesquisa MackPesquisa

O PROJETO como questão e tarefa

Dadas as alterações estruturais – forma de produzir a vida material, nova organização do capital internacional, outra sociabilidade no que se refere à cultura de massas, “revolução” da informação, novas condições colocadas ao público/privado e nas associações tempo/espaço etc -, quais seriam as condições possíveis ao PROJETO (pensamento e prática) e ao ensino de projeto? Quais as possíveis reflexões – e propostas – que têm contabilizado essas temáticas e quais propostas têm representado exercícios no sentido de se reencontrar (ou criar) oportunidades efetivas (com real significado e valor) no ensino do projeto, em seu papel político e em suas diversas escalas?

Essa não é uma questão inédita, a de se colocar criticamente frente aos “novos problemas”, a partir do reconhecimento de que “velhos conceitos” talvez não sejam suficientes ao enfrentamento de condições que se transformaram. Aparece como uma colocação que motivou potencialmente a crítica (TAFURI, 1976) e que nos parece fundamental quando se discute ensino. Ou seja, as solicitações e demandas são diversas no tempo histórico e as atividades de ensino – que se renovam – precisam ser vistas criticamente, reconhecendo dinâmicas e antecipando possibilidades outras.

A arquitetura e sua relação com a matriz urbana como condição que recoloca a ação de projeto vinculada a processos sociais é destaque constante em trabalhos de arquitetos-autores contemporâneos, que se empenham em buscar sentido para a arquitetura e o urbanismo (Rem Koolhaas). Nesse sentido, como não contar com a transdisciplinaridade? E, por outro lado, como mapear a cidade real? E se o urbano é a “nossa intriga” (Paulo Mendes da Rocha), quais outras possibilidades e lugares para a arquitetura e o urbanismo que, indo de encontro às questões contemporâneas fundamentais, se disponham a formular as tarefas do PROJETO e seu protagonismo nos processos de ensino?

Nesse sentido, o que seria uma escola de PROJETO na contemporaneidade? Como aportar questões que constituam escopo das disciplinas, das atividades dos laboratórios e quais seriam as principais temáticas condutoras dos projetos político-pedagógicos das escolas de Arquitetura e Urbanismo?

Diante da complexidade contemporânea, a pesquisa passa a ser um substrato fundamental da experiência de aprendizagem e o ensino uma atividade de responsabilidade coletiva, no qual professores e alunos se colocam como pesquisadores. Como articular, ensino e investigação como modos complementares de se construir teorias e práticas projetuais? Por outo lado, para além dos conteúdos, o raciocínio de projeto exige interdisciplinaridade e interfaces com outros campos e formas de discurso para seu desenvolvimento teórico e técnico inerentes ao contexto cultural de sua época e necessariamente envolvidos com o papel político das escolas de arquitetura e urbanismo frente aos desafios contemporâneos. Como construir, portanto, pelo ensino do raciocínio de PROJETO, processos de auto responsabilidade para a ação e a transformação? Como efetivar um processo de ensino investigativo, criativo e participativo?

SUBTEMAS

Subtema 01. Cultura e sociedade – Teoria e projeto

A expectativa, no que se refere ao Subtema 01, é eleger um repertório teórico e produzir ensaios sobre o raciocínio de PROJETO, e sua relação com outras áreas do saber, orientando perspectivas e construindo projetos possíveis e apropriados para a prática e para o ensino.

A questão da interdependência entre “cultura e sociedade” é proposta como uma temática que complementa a relação “teoria e projeto”, na qual se pretende investigar, por um lado, uma afinidade que, necessariamente, se afasta da abstração e do idealismo e é parte de uma ação sociocultural que aponta para a interdisciplinaridade inerente ao processo projetual e ao desenvolvimento teórico: uma reflexão sobre a ação responsável do PROJETO no universo da cultura, cujo sentido ético é construído concomitantemente ao modus operandi. Interessa, portanto, a construção teórica indissociável da prática, sua relação produtiva e interdependente com o projeto. Teorias que não estão a serviço da prática, que não se fazem utilitárias mas que orientam o projeto enquanto construção conceitual e referência disciplinar que produzem significado social e conhecimento.

Por outro lado, também se propõe a pensar qual a discussão teórica diante de uma produção potente que busca ser protagonista da construção de uma nova situação urbana? Diante do diferencial da prática, talvez o caminho para a Arquitetura possa passar por um retorno à Teoria, ou melhor, ao conceito de teoria. De onde parte a Arquitetura? Como podemos pensar a Arquitetura? Ao pronunciarmos Arquitetura estaríamos já prenunciando a primazia do Projeto? Mas, onde começa o projeto arquitetônico? Se podemos predizer que o fazer já pressupõe um pensar e teorizar, não poderíamos afirmar que o pensar e teorizar também podem já pressupor um projetar? O mérito dessa discussão, de começar um debate com essa indagação, reside na possibilidade de uma deslimitação por vir dos campos, nomes, formas e sentidos que antecipam os entendimentos possíveis acerca daquilo que nos chega como próprios do projeto e da teoria.

Subtema 02: Arquitetura, Arte e Design

O que há de promissor no ensino de Arquitetura e do Urbanismo que contemple contaminação e o olhar criativo da arte e do design do ponto de vista do processo de aprendizagem e a explicitação de um discurso que oriente a ação criadora / transgressora?

A arte se apropria, aprende, estabelece uma relação com a realidade. Está à frente dos discursos como “antecipadora” das transformações sociais já presentes na realidade, porque está atenta às mudanças e, a partir delas, constrói raciocínios inusitados com a condição

metropolitana, as ruínas da cidade industrial, com o anonimato, com a História e coloca novas questões a partir de recursos não convencionais.

O Design, por sua vez, lembra à arquitetura do Brasil e outros países que seu desenho ligado aos processos produtivos escancara o atraso da não industrialização da construção civil, ainda atada a processos artesanais. Também remete à reflexão sobre o desperdício de materiais, o ciclo de vida dos objetos, e suas possibilidades de reuso, à produção excessiva e irrefletida de artefatos descartáveis.

Tanto a Arte como o Design “pensam” as restrições como potencialidade criativa, olham para as novas práticas que se inscrevem na organização da sociedade pós-industrial e o projeto de prover o arranjo possível da possibilidade de habitar, gerar transformação, promover interação cultural e difundir outros raciocínios.

Subtema 03 -Patrimônio, Território e Ambiente

A associação das temáticas Patrimônio, Território e Ambiente tem como objetivo investigar as articulações possíveis entre essas linhas de atuação projetual e de elaboração teórica. Na perspectiva de uma possível e necessária interdisciplinaridade. A história e a cultura, a questão da paisagem, a construção das cidades e a preservação da natureza são bens patrimoniais, advindos de um saber que elabora um raciocínio de equilíbrio e valor para o legado e a ação de transformação.

Tem-se como pressuposto, portanto, que as relações entre essas temáticas são fundamentais e devem ser mais bem explicitadas. Assim, as noções de patrimônio material e imaterial, de paisagem geográfica e cultural, e também as questões vinculadas às discussões sobre o ambiente e a sustentabilidade urbana, colocam-se como desafios para o PROJETO e para a produção teórica frente a realidades complexas.As diversas escalas e relações envolvidas são inerentes às preocupações deste subtema, na medida em que as articulações que envolvem desde o objeto até o território parecem exigir novas abordagens analíticas e interpretativas, suas relações com a História e as Ciências, bem como novas propostas pedagógicas.

Subtema 04 – O saber da técnica na construção do saber

A aprendizagem do “saber fazer” deve considerar o pensar criativo e critico, para o aluno e para o professor, de modo a conduzir um processo interativo de descoberta do “aprender a aprender”. O pensar criativo faz referência aos procedimentos da arte. A critica se utiliza do raciocínio lógico inerente ao conhecimento científico e agrega a capacidade de identificar, analisar e interpretar.

O raciocínio lógico resolve problemas. O procedimento critico propõe questões. Mas ainda há que se considerar o pensamento abstrato, cujo princípio está na técnica, que viabiliza o encontro entre teoria e experiência e alimenta a formação de conceitos e a construção de novas coisas concretas.

A apropriação do saber técnico permite aceder à evidência da configuração, da ficção, da visão de mundo, e possibilita realizar o que se antecipou no horizonte do desejo, ou seja, na intenção de um projeto.

Tendo em vista avançar as discussões sobre o projeto e a prática projetual no âmbito do ensino de arquitetura, esta sessão pretende discutir trabalhos que enfoquem a técnica como o saber que ampara a materialização de um desejo criador, seja na construção de objetos e/ou estruturas espaciais, seja nas práticas, processos e métodos de ensino.

TEMPOS:

01. Docs da memória: construção de um dossiê histórico e a visão critica de sua atualidade de: marcos nas estruturas curriculares na alteração e/ou criação de novos currículos | seminários e encontros de ensino significativos.

02. Experiências contemporâneas: panorama do estado da arte no que se refere a currículos, didática e metodologias de ensino, conteúdos, experimentações.

03. Prospecções: projetos em gestação quanto a currículos, didática e metodologias de ensino, conteúdos, experimentações.

“Docs da memória”, “Experiências contemporâneas”, “Prospecções” são os tempos do seminário. Há um tempo a ser revisto. Um tempo de ação do projeto e a necessidade de preencher a lacuna do discurso, da construção teórica advinda desta prática que não foi devidamente explicitado e publicado. Há o tempo contemporâneo que discute a ação do projeto diante dos desafios da metrópole e do fenômeno da globalização. Há o tempo do porvir que depende do projeto que providencia o futuro.

PARTICIPAÇÃO DOCENTE E ALUNOS PÓS-GRADUAÇÃO

O seminário está aberto à participação de docentes e alunos pós-graduação em sessões de trabalho na modalidade COMUNICAÇÃO, enviados como textos completos.

 

marca_mack_pesquisa

faus

???????????

logo vitruvius

Informações ALUNOS E EX-ALUNOS GRADUAÇÃO

 

Caros alunos e ex-alunos,

Sobre a participação no SEMINÁRIO DE ENSINO: Congresso Internacional “O que é uma escola de Projeto na contemporaneidade – Questões de ensino e critica do conhecimento em Arquitetura e Urbanismo”, programado para acontecer de 9 a 11 de setembro de 2013, enviamos maiores informações.

Acesse pôster: https://projetocontemporaneo.files.wordpress.com/2013/06/layout_do_poster.pdf

Os trabalhos completos podem selecionar uma das três modalidades propostas:

Modalidade 01. Depoimento intercambistas – O curso que me acolheu

A proposta é conhecer a experiência de alunos e ex-alunos de cursos de graduação em Arquitetura e Urbanismo que fizeram intercâmbio em escolas de excelência fora do país.

Aluno[s] | Escola de origem

Roteiro sugerido: Nome da escola – Cidade – Ano do intercâmbio | Curso | Disciplina | Professores [biografia] | Proposta da disciplina | Método de ensino | Dinâmica aprendizagem | Bibliografia | A experiência [trabalho desenvolvido] | Visão critica [da experiência]

Modalidade 02. Estudos | Pesquisa – Outra escola, Outro currículo, Outra disciplina

Nesta modalidade a ideia é conhecer outras escolas cujo currículo ou mesmo cuja estrutura de uma disciplina propõe uma abordagem considerada como inovadora e exemplar no enfrentamento da complexidade contemporânea.

Aluno[s] | Escola de origem

Roteiro sugerido: Nome da escola – Cidade | Curso | Disciplina | Professores [biografia] | Proposta da disciplina | Método de ensino | Dinâmica aprendizagem | Bibliografia | Trabalhos propostos | Visão critica.

Modalidade 03. Estudos | Pesquisa – Ateliês de projeto

A participação em ateliês, workshops, talleres de projeto em outras escolas certamente agrega uma experiência singular pela dinâmica de trabalho e pelas propostas inusitadas. Esta modalidade propõe o relato critico desta experiência.

Aluno[s] | Escola de origem

Roteiro sugerido: Nome da escola – Cidade – Ano | Título do evento | Professores [biografia] | Proposta do evento | Dinâmica de trabalho | Bibliografia | Trabalhos desenvolvidos | Visão critica.

 

Uma vez enviado o trabalho, cada participante receberá a resposta de recebimento do arquivo pela organização e uma ficha de inscrição que deve ser preenchida, assinalando a opção por um dos subtemas propostos, e enviada para que se efetive a possibilidade de participação.